segunda-feira, 23 de setembro de 2013

"KAORI E O SAMURAI SEM BRAÇO" é o vencedor do Prêmio Argos 2013!

Foto: Silvia Penhabel

Banzai, titia Giu foi premiada!

Pra quem não sabe do que estou falando, uma pitada de informação: o Prêmio Argos, promovido pelo Clube dos Leitores de Ficção Científica, chegou a ser considerado o mais importante do gênero na virada do século quando teve quatro edições, 1999, 2000, 2001 e 2003. Depois de um hiato, o prêmio retornou em 2012 em nova fase, ampliando o seu foco para publicações que englobam o gênero Fantástico como um todo - não apenas a Ficção Científica.

Clinton Davisson. Foto: Hugo Vera.
Teve de tudo na cerimônia de premiação da edição de 2013 do Prêmio Argos, que aconteceu ontem, dia 22 de setembro, no Fantasticon: suspense entre os indicados a la Oscar, com os nomes dos vencedores sendo mantidos em segredo até a hora da premiação, um mestre de cerimônias bem-humorado (Clinton Davisson, presidente do CLFC, que mostrou-se um ótimo apresentador) e uma plateia animada.

Depois de uma breve apresentação em que brincou com o terror atribuído à palavra FANDOM, Clinton chamou Ana Cristina Rodrigues, colaboradora e editora da Revista Bang! (entre muuuuitas outras coisas, já que Ana é figura de maior relevância no cenário de LitFan brasileira), para apresentar e receber o prêmio atribuído a Fábio Barreto, e ao seu livro Filhos do Fim do Mundo, pelos serviços prestados à FC com o seu trabalho de divulgação acadêmica. Seguiram-se a apresentação e a entrega do prêmio por Sílvio Alexandre, organizador do Fantasticon, ao sempre brilhante escritor Bráulio Tavares pelo conjunto da sua obra.

Bráulio Tavares e Sílvio Alexandre. Foto: Hugo Vera.
Depois, o escritor Flávio Medeiros, premiado em outras edições, subiu ao palco para apresentar o vencedor de melhor conto, entre os seguintes indicados: As Filhas de Cassiopeia: a Ofensiva Draconiana, Hugo Vera – Space Opera II – Editora Draco; Hiriburu, Alexandre Mandarino – Caminhos do Fantástico Vol.1 – Editora Terracota; No vácuo você pode ouvir o espaço gritar, Carlos Orsi– Space Opera II – Editora Draco; Obliterati, Fábio Fernandes– Space Opera II – Editora Draco. O vencedor foi Carlos Orsi, um ótimo escritor, um nome obrigatório na lista dos melhores da FC brasileira, que foi aclamado merecidamente com entusiasmo pela plateia.

Carlos Orsi e Flávio Medeiros. Foto: Hugo Vera.
Seguiu-se então o anúncio dos indicados para a categoria de melhor romance de 2012: O Alienado, Cirilo S. Lemos – Editora Draco; Sozinho no Deserto Extremo, Luiz Bras – Editora Prumo; Territórios Invisíveis, Nikelen Witter – Editora Fantas e o Kaori e o Samurai Sem Braço, da titia Giu – Giz Editorial.

Na verdade, eu me encontrava completamente à vontade e relaxada. Afinal, eram os sócios do Clube de Leitores de Ficção Científica que haviam escolhido os vencedores em voto direto - e não imaginava que um livro de vampiros, como Kaori e o Samurai Sem Braço, tivesse alguma chance de ganhar. Por isso, quando o escritor Max Mallmann, que apresentava o prêmio, pediu uma salva de palmas para os indicados, independente da premiação ou não, recebi os aplausos como se fossem para mim. "Olhem só", pensei, "é bacana saber que alguns leitores de FC gostaram do meu livro a ponto de me indicarem como finalista", e já me preparava para aplaudir o vencedor, quando ouvi o meu nome sendo anunciado.

Clinton Davisson, Giulia Moon e Max Mallmann. Foto: Hugo Vera
Fiquei muito surpresa - mas muito mesmo! Não que eu não acreditasse na qualidade do meu trabalho, mas... Elucubrações à parte, resolvi seguir o conselho da minha personagem, a kitsune Omitsu, no próprio livro Kaori e o Samurai Sem Braço:

"Não vamos contestar as coisas boas que o céu nos envia, Kitarô-sama. É de mau agouro!"

Portanto, vesti o meu sorriso e enverguei a minha capa de alegria e lá fui pro palco! Agradeci a todos (de forma meio desordenada), citei as minhas duas madrinhas, Martha Argel (a doutora de aves e vampiros, que começou a sua carreira literária nos tempos de sócia do CLFC) e Finísia Fideli (grande dama que traz no rosto e nas atitudes a confiança de quem tem talento, experiência e sabedoria) e curti o momento!

Bem, o que tenho a dizer hoje: acredito que Kaori e o Samurai Sem Braço é um dos melhores, senão o melhor dos livros que já escrevi, e representará com competência e merecimento o título de vencedor do Argos 2013. E ter essa qualidade reconhecida me deixou extremamente feliz.

Como fã de FC, mais do que ninguém desejo que a escolha de Kaori e o Samurai Sem Braço traga ótimos augúrios ao CLFC, e que em breve o prêmio seja entregue a um candidato da FC Brasileira de grande sucesso de crítica e público. Uma FC ainda mais forte só teria a enriquecer a LitFan brasileira, trazendo novos leitores, novos talentos, novas experiências. O que seria o melhor dos cenários para o futuro.

Então é isso, crianças. Titia Giu, falando do day after. Bora, que o futuro está apenas começando!


Vídeo: Adriano Siqueira.

4 comentários:

Fábio M Barreto disse...

Parabéns, Giulia! =D

Beijão de LA,
Fábio

Giulia Moon disse...

Arigatô, Fábio! Parabéns para você, também! :D

Patthy Carla disse...

Querida Morceguinha, estou mto orgulhosa de vc e tb mto feliz. Já te falei isso, Kaori é mil vezes melhor q Crepúsculo e devia virar filme. Bjs e mtooooooooooo sucesso. Um brinde à vc shaken not stirred!

Giulia Moon disse...

Muito obrigada, querida Miss Bond! Cheers! ;)